JÁ ESTÁ EM CASA

Silval deixou a cadeia às 20h20, seguindo para seu apartamento, no Jardim das Américas

Apesar de toda expectativa, Silval deixou o CCC num comboio de veículos, inclusive um da Delegacia Fazendária, sem dar nenhuma declaração a imprensa

Jonas Jozino / Redação 24 Horas News | 13/06/2017 21:18:23

20h20. Foi o horário que a porta do Centro de Custódia de Cuiabá, no complexo penitenciário do Carumbé, se abriu. Sob o olhares de várias pessoas que se aglomeraram do lado de fora para ver toda a movimentação, surgiu de cabeça baixa, andando pausadamente e olhando para o chão a figura do ex-governador Silval Barbosa (PMDB). Acompanhando de seu advogado Délio Lins e Silva Júnior foi para um carro que o esperava do lado de fora, seguindo, sem falar com ninguém para seu apartamento no bairro Jardim América, próximo ao shopping onde passará a primeira noite depois da prisão em 17 de setembro de 2015. Ele vai cumprir prisão domiciliar.

Apesar de toda expectativa, Silval deixou o CCC num comboio de veículos, inclusive um da Delegacia Fazendária, sem dar nenhuma declaração a imprensa. Ele se deslocou para sua casa e amanhã deve ser submetido a colocação de tornozeleira eletrônica após aceitar devolver R$ 46,6 milhões em imóveis rurais e urbanos, além de um avião.

Foram seguidas derrotas na justiça, troca de advogados e confissão de crimes praticados como governador de Mato Grosso, até chegar às 20h20 desta terça-feira e ver a liberdade, fora dos muros da cadeia, onde ficou por quase dois anos como inquilino. Logo depois deixou a cadeia seu ex-chefe de gabinete Silvio César Correa de Araújo. Eles não trocaram olhares e nem apertos de mão.

Silval deixou o Carumbé seguindo para seu apartamento no bairro Jardim das Américas, enquanto seu ex-chefe de gabinete ficará "detido" em sua casa no condomínio Belvedere. O benefício de prisão domiciliar a Silval e Sílvio só foi possível após eles decidirem confessar crimes cometidos durante a gestão do peemedebista a frente do Palácio Paiaguas.

O ex-governador ainda colocou bens a disposição da Justiça. Ao todo, foram disponibilizados R$ 46,6 milhões entre imóveis rurais e urbanos.

De acordo com o advogado Délio Lins e Silva, a postura não significa um acordo de colaboração premiada.

“A decisão pela prisão domiciliar se baseou no novo comportamento do Silval que de algumas semanas pra cá que passou a contribuir, prestou novos depoimentos esclarecendo vários pontos. Faço questão de deixar claro que não existe delação premiada. Não existe tratativas nem com MPE, nem com MPF, foi iniciativa da juíza diante de uma nova linha de defesa”, garantiu.


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News