ESTRANHANDO DECISÃO

Selma Arruda estranha parecer de Dodge que pede sua cassação no Senado

Jornalista Jonas Jozino | 11/09/2019 09:27:22

O processo é o que trata de pedido de cassação da senadora e que foi julgado em abril pelo Tribunal Eleitoral de Mato Grosso por unanimidade, sob alegação de ter promovido abuso de poder econômico e caixa 2 durante a campanha eleitoral de 2018.

Denunciada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que encaminhou o pedido de cassação imediato para o Tribunal Superior Eleitoral – TSE -, a senador Selma Arruda (PSL) que o pedido da ainda procuradora – deixa o cargo na próxima sexta-feira -, tenha sido feito apenas sete horas após ter recebido a denúncia de 75 páginas. Selma diz que a velocidade no atendimento mostra que o parecer foi “encomendado”.

O processo é o que trata de pedido de cassação da senadora e que foi julgado em abril pelo Tribunal Eleitoral de Mato Grosso por unanimidade, sob alegação de ter promovido abuso de poder econômico e caixa 2 durante a campanha eleitoral de 2018.

“A parlamentar manifesta estranheza pelo fato de os autos terem ido ao Ministério Público Federal na data de 10/09 e o parecer, com 75 laudas, ter sido assinado pela PGR nesta mesma data, ou seja, 10/09”, afirmou, a ex-juíza em nota oficial. Ela ainda que a procuradora não teria outra coisa para fazer. “Ou que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não tivesse mais nada a fazer, únicas hipóteses que justificariam tal concomitância”, criticou.
Ainda na nota, Selma esclareceu que o pedido da PGR não trata de afastamento imediato do cargo.

“A PGR tão somente manifestou-se nos mesmos termos do que foi decido pelo TRE-MT, no sentido de que o acórdão, se mantido, deve ser executado após o julgamento no TSE, independentemente da interposição de outros recursos”, ressaltou.