LAMA VERMELHA

Polícia Civil deflagra operação para prisão de 27 integrantes de célula de facção em Campo Verde

Redação 24 Horas News | 21/03/2019 08:09:49

Para a operação foram expedidos 54 mandados judiciais, sendo 27 prisões temporárias e 27 buscas e apreensão domiciliar.

Vinte e sete integrantes de uma facção criminosa suspeita de crimes de homicídios, tráfico de drogas, roubos e furtos, e organização criminosa, são alvos da operação “Lama Vermelha”, deflagrada nas primeiras horas desta quinta-feira (21), na cidade de Campo Verde (131 km ao Sul), pela Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

O grupo criminoso detinha o monopólio da venda de drogas no município, as chamadas biqueiras ou bocas de fumo, e cobrava mensalidade aos seus membros faccionados.

Para a operação foram expedidos 54 mandados judiciais, sendo 27 prisões temporárias e 27 buscas e apreensão domiciliar. Do total de mandados de prisão, 18 foram expedidos para cumprimento em Campo Verde (área urbana e rural) e 9 em outras cidades sendo elas: Cuiabá (1 na Penitenciária Central do Estado), Chapada dos Guimarães (2), Rondonópolis (3 presos e 1 solto) e Barra do Garças (1).

Oito criminosos serão notificados dos mandados de prisão dentro de unidades prisionais desses municípios. “A maioria dos líderes estão presos. Todos terão mandados de prisão cumpridos dentro das cadeias”, disse o delegado de Campo Verde, Mário Santiago.

Os mandados são cumpridos por equipes de 96 policiais - entre delegados, investigadores e escrivães -, policiais militares e policiais rodoviários federais. A ação tem o apoio no patrulhamento aéreo do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPaer) e ainda do Canil da PRF.

A investigação iniciou em outubro de 2018, após descoberta de uma grande célula da facção criminosa, que estava agindo a mando de lideranças presas em unidades prisionais do Estado de Mato Grosso.

“Foi possível identificar mais de 30 integrantes da facção, sendo também identificado o organograma hierárquico da organização criminosa local”, explicou o delegado de Campo Verde, Mário Santiago.

O delegado Joaquim Leitão Junior, foi quem iniciou a investigação no período que respondeu pela Delegacia de Campo Verde. Ele contou que a célula criminosa de Campo Verde está dividida em posições hierárquica seguindo o estatuto da facção criminosa, cada um executando atividades específicas em benefício do funcionamento da organização.

Os “conselheiros” são as liderança local, seguido dos “disciplinas” (membros responsáveis por aplicar sanções àqueles que descumprissem o estatuto), os espelhos (substitutos legais) e na base estão os soldados e colaboradores, aqueles que executam os crimes diretamente.

A organização criminosa, para assegurar seu território, teria cometido ao menos 4 homicídios.