Crise migratória: União e governo de Roraima farão reunião dia 30

Metrópoles | 19/11/2018 17:10:02

Ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, marcou a data para tratar da entrada dos refugiados venezuelanos no estado

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), marcou para a sexta-feira da próxima semana, dia 30 de novembro, uma nova audiência de conciliação entre a União e o governo de Roraima para tratar da crise migratória no estado.

“Acolho a sugestão de ambas as partes, considerando a natureza transacionável de parte dos pedidos deduzidos no presente feito e, ainda, a delicadeza do tema envolvido, para efeito de designação de audiência com vista a nova tentativa de conciliação, a se realizar no próximo dia 30 de novembro de 2018, às 14h30, na Sala de Audiências do STF”, decidiu Rosa.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) também deverá enviar um representante para a reunião.

Na última terça-feira (13), o Palácio do Planalto firmou um termo de cooperação e passou a administrar sistemas prisionais do estado de Roraima. Pelo acordo, a gestão ficará até o dia 31 de dezembro sob os cuidados do governo federal, podendo ser prorrogado por mais 30 dias depois que terminar o prazo.

O acordo foi formalizado depois de a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pedir ao presidente Michel Temer uma intervenção federal nos sistemas prisional e socioeducativo do Estado de Roraima. Raquel pedia a intervenção até 31 de dezembro, data do término da gestão do atual governo estadual, definido pela procuradora-geral da República como o “responsável pela situação de desordem pública”.

Para Raquel Dodge, o Estado de Roraima “perdeu a capacidade de manter a ordem pública”. O governo local é comandado por Suely Campos (PP), que não conseguiu se reeleger nas últimas eleições

O governador eleito de Roraima, Antonio Denarium (PSL), disse na semana passada que o Estado “não suporta mais” a crise migratória de venezuelanos.

Jornalista: Agência Estado


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News