ANS recomenda intervenção na Cassi, plano de saúde do Banco do Brasil

Agência Estado | 17/04/2019 21:05:04

Rombo em 2018 era de R$ 377 milhões. Considerando os dependentes, plano atende cerca de 400 mil pessoas

Michael Melo/Metrópoles

Diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Leandro Fonseca da Silva, recomendou a intervenção da direção fiscal da Cassi, operadora do plano de saúde dos funcionários do Banco do Brasil.

A direção fiscal é um acompanhamento determinado pela autarquia quando identificados riscos de saúde financeira da operadora. Para que esse regime especial seja estabelecido, é preciso que a operadora reúna condições de recuperação.

Para ter efeito, o entendimento precisa ser  referendado pelos demais diretores da autarquia, numa reunião cuja data ainda não foi estabelecida. O plano do Banco do Brasil tem 168 mil associados, entre funcionários ativos e aposentados. Considerando os dependentes, o atendimento se estende para cerca de 400 mil pessoas. Em nota, a Cassi esclarece que os atendimentos estão mantidos dentro da normalidade. Afirma ainda que a decisão do diretor é reflexo de um processo de acompanhamento e destaca não haver decisão final sobre o tema.

Mais sobre o assunto ANS suspende a comercialização de 26 planos de saúde ANS apresenta nova regra de reajuste de planos de saúde ANS suspende venda de 17 planos de saúde de três operadoras ANS sugere novos modelos para remuneração de profissionais e hospitais

Dados indicam que até 2011 o plano apresentava uma boa saúde financeira, com acúmulo de R$ 1 bilhão em reservas. A partir de 2012, nos entanto, o desempenho se inverteu e dívidas se acumularam. Em 2018, o rombo era de R$ 377 milhões.

No regime especial, um diretor fiscal é nomeado pela ANS. Ele é encarregado de fazer um plano para a recuperação das contas da  operadora. Geralmente, esse regime especial tem duração de um ano. Terminado o prazo legal, a direção fiscal pode ser encerrada, com a aprovação de um plano de recuperação. Quando a recuperação não é possível, uma das soluções é a transferência da carteira de usuários para outra operadora.

Jornalista: Agência Estado