NÃO SERÁ DEMOLIDO

Vereadores de Sinop rejeitam venda do estádio Gigante do Norte

Jornalista Jonas Jozino | 08/10/2019 07:11:57

Em sessão bastante conturbada e com muitos torcedores mostrando que não queriam o fim do estádio Gigante do Norte, a derrota da prefeita acabou sendo proferida pelos vereadores Billy Dal Bosco, Joacir Testa, Luciano Chitolina, Leonardo Visera, Lindonar Guida, Icaro Severo, Dilmair Callegaro e Adenilson Rocha.

Foto - Só Notícias/Divulgação

O estádio Gigantão do Norte, em Sinop, não irá se transformar em Arena e muito menos ter ao seu lado uma grande rede mercadista como queria a prefeita da cidade, Rosana Martinelli. A Câmara Municipal da cidade, derrubou o projeto do executivo, que pretendia permutar a área do estádio.

 A votação, a pedido da Prefeitura, aconteceu no final da tarde de segunda-feira. Os vereadores foram apreciar o voto da Comissão de Justiça e Redação da casa, que era favorável a permuta da área do estádio para a instalação de empresas e a construção de uma arena esportiva. Oito vereadores votaram contra o pedido do executivo. Seis vereadores foram a favor. Com isso, votação do projeto ficou prejudicado e acabou sendo arquivado.

 Em sessão bastante conturbada e com muitos torcedores mostrando que não queriam o fim do estádio Gigante do Norte, a derrota da prefeita acabou sendo proferida pelos vereadores Billy Dal Bosco, Joacir Testa, Luciano Chitolina, Leonardo Visera, Lindonar Guida, Icaro Severo, Dilmair Callegaro e Adenilson Rocha.

 Um dos argumentos dos vereadores para rejeitar o projeto foi a de que, mesmo reconhecendo que o Gigantão do Norte não está em bom estado, ele abriga os jogos do Sinop, que com a demolição da praça esportiva para a construção de uma arena ficaria sem local para mandar suas partidas e também jogos do Sinop Coyotes, além das diversas modalidades amadoras. Os vereadores alegaram ainda que a Prefeitura de Sinop não apresentou um local específico para a construção de na nova praça esportiva.

 O objetivo da Prefeitura era vender 33 mil quadrados da área do estádio destinados para ser construída uma empresa no setor alimentício que, em troca, construiria o novo estádio e poderiam participar da licitação empresários que tivessem interesse em montar qualquer atividade comercial. O investimento mínimo na empresa que seria construída nos 33 mil metros quadrados seria de R$ 50 milhões e o empreendimento deveria ficar pronto em 120 dias trabalháveis. Quem compraria essa área deveria investir R$ 26 milhões para construir o novo estádio.