A Febre: indígena ganha prêmio de melhor ator no Festival de Locarno

Felipe Moraes | 17/08/2019 11:00:07

Filme brasileiro saiu do evento suíço com um dos principais troféus. Vitalina Varela, do português Pedro Costa, foi o grande vencedor

Divulgação

A Febre, filme brasileiro da diretora Maya Da-Rin, venceu o prêmio de melhor ator, para o estreante Regis Myrupu, no prestigiado Festival de Locarno, que chegou à 72ª edição em 2019. A honra máxima, o Leopardo de Ouro, ficou com o longa português Vitalina Varela, de Pedro Costa. Há cinco anos, o cineasta levou o troféu de melhor diretor por seu trabalho anterior, Cavalo Dinheiro (2014).

Com protagonistas indígenas e inspirado em histórias reais, A Febre recebeu elogios da crítica internacional após a exibição no festival. Myrupu, em depoimento divulgado pela assessoria de imprensa, se disse emocionado com o prêmio, mas afirmou que “nós, povos indígenas, estamos vivendo um momento muito difícil”.

“Não só nós, mas também a nossa casa, a floresta, está sendo destruída. Então, um indígena recebendo um prêmio como esse, mostra a nossa força e capacidade de atuarmos na sociedade não indígena, seja participando de um filme, seja como médicos ou advogados, sem que isso signifique a perda das nossas origens ou o esquecimento da nossa cultura”, completou o ator.

Jornalista: Felipe Moraes