13 anos de populismo irresponsável

O populismo irresponsável levou o país ao fundo do poço e colocou as pessoas de cabeça para baixo, a nação vive a realidade das crises: política e econômica. A administração irresponsável deixou um legado negativo, pois queimaram todas as reservas financeiras e a cultura econômica de controle dos gastos vivenciados a partir do Plano Real, que foi jogado no lixo da irresponsabilidade.


O populismo sempre adota as políticas sociais de bondade e com decisões amplamente generosas, distribuindo recursos financeiros como se a união fosse uma fábrica de dinheiro, e hoje estamos colhendo todo tipo de desequilíbrios econômico, social e político.


Os líderes populistas irresponsáveis, são exímios queimadores de estoque, e torram as reservas como se fosse infinitas, e sem pensar no desiquilíbrio futuro, praticam isenção de impostos para produzir consumo de prazeres provisórios, e ao fim vem a crise, e com ela termina a fase festiva da distribuição de pacotes de bondades.


A festa acabou e os recursos acabaram, e ainda trouxe junto as “Delações Premiadas”, que desnudam os rituais da política, e agora que a realidade escancarou as ações dos poderes, passamos a ver o mal que o populismo levou o país, por 13 anos, esses dirigentes populistas administraram o país como se vivessem no mundo da fantasia.


E agora a crise veio à tona, e mostra como o país era administrado irresponsavelmente como se os recursos públicos fossem de ninguém, mas ao fim, veio o colapso e as falências das ações de reconstrução em curto prazo, pois não há crise sem causa, políticas equivocadas são recheadas de achismos, e isso é que levou o país ao maior desastre econômico, social e que nos trouxe a tona o tamanho da safadeza, tendo a Odebrecht como a grande financiadora e dona das ações dos políticos bonzinhos.


E, agora não sabemos como será o fim de tudo isso, pois quanto maior for a irresponsabilidade do populismo, maior ou menor terá influências sobre os fatores políticos e sociais, pois esses fatores serão determinantes nas variáveis econômicas, trazendo desemprego e recessão acompanhada de inflação, mas quem paga as contas são os assalariados, por isso, temos que aprender a dura lição de saber votar, porque saem dos nossos bolsos os financiamentos da felicidade dos políticos e das empreiteiras financiadoras de campanhas.

Economista Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com


Mais de Wilson Carlos Fuá