Candidata à vice-presidência ateia

 

O segundo turno da corrida sucessória à presidência da República do Brasil, vem ganhando contornos de adversidade e mudanças de atitudes pouco ortodoxas, por parte, de alguns candidatos, tanto a presidência da república como a vice-presidência. Nesse contexto, no último dia 12 de outubro, em que, comemoram-se três datas importantíssimas no Brasil: Nossa Senhora Aparecida, padroeira oficial do Brasil, o Dia Das Crianças e o Descobrimento da América. Dentre as três, para a igreja católica, a devoção a Nossa Senhora Aparecida é destaque; esta devoção tem início em 1717, quando às margens do rio Paraíba, foi encontrada uma imagem de 40 centímetros de altura, hoje exposta no Santuário de Aparecida.

Nessa data festiva, aconteceram missas em homenagem a padroeira do Brasil, nas diversas igrejas espalhadas pelo país, até ai tudo bem, faz parte do calendário festivo religioso, como tal, Nossa Senhora Aparecida é homenageada, até ai tudo normal.

O que causou perplexidade e indignação a grande maioria dos fieis, que participavam da missa, na Paroquia de Santos Mártires, no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo, foi o aparecimento de Fernando Haddad e sua vice Manuela D' Ávila, em uma demonstração clara de campanha eleitoral meramente, até por que, se fosse em outro momento, talvez essa percepção por parte dos fieis católicos, não fosse tanto sentido.

Tendo como agravante, a presença de uma pessoa que se intitula ateia, na casa de Deus, é algo no mínimo repugnante, um atentado aos princípios religiosos, uma vez que, ali para nós católicos apostólicos romanos, é a moradia divina, algo inviolável, que tem que ser respeitado veementemente.

Reporto-me, a senhora Manuela D' Ávila (PCdoB), candidata a vice na chapa encabeçada por Fernando Haddad (PT), ela sempre se intitulou ateia, com ideias e posicionamentos, que vão na contra mão da história, e afeta com veemência os preceitos defendidos pela igreja católica, um desses pontos, é que a mesma, defende a legalização do aborto.

Essa chapa que pleiteia à presidência da República do Brasil, tendo Fernando Haddad (PT) como candidato à presidência e Manuela D' Ávila (PCdoB) a vice, sempre buscaram modelos arcaicos e obsoletos, que na maioria das vezes não deram certos, em países vizinhos, a exemplo a Venezuela, que vive em petição de miséria.

Nesse contexto a nobre candidata à vice, Manuela D' Ávila (PCdoB), vibra quando na manhã de 14 de junho, no país vizinho Argentina; onde estava em votação à descriminalização do aborto. E a Câmara dos Deputados daquele país, aprovou a pratica do aborto, a vice além de comemorar a conquista, diz "Que o tema deve ser tratado com urgência no Brasil", essa é a visão e posicionamento da mesma.

Ainda falando em datas comemorativas, hoje 15 de outubro dia do professor, os responsáveis pelo desenvolvimento da educação e do conhecimento no país, abrangendo um grupo de profissionais que trabalham desde a educação infantil até o ensino superior; temos pouco ou quase nada a comemorar.

A educação é um dos setores mais importantes para o desenvolvimento de uma nação. É através dela que se formam cidadãos críticos e conscientes de seu papel na sociedade.

A educação em nosso país apresenta índices lastimáveis e vergonhosos, fruto de uma política pública educacional, calcada em modelos que não deram certo em outros países, o Brasil ainda tem 11,8 milhões de analfabetos, o que corresponde a 7,2% da população de 15 anos ou mais.

Essa taxa indica que o Brasil não conseguiu alcançar uma das metas intermediarias estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação (PNE), em relação à alfabetização da população com 15 anos ou mais. A lei dizia ainda que em 2024 o analfabetismo deve estar erradicado do país; vale ressaltar que a educação em nosso país, esteve nas mãos do Partido dos Trabalhadores (PT), por 13 anos, como encontrar outros culpados, pelo caos educacional.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo (liciomalheiros@yahoo.com.br)