Notícias » Cidades » Garota ‘strip’ do Vila Mix II é identificada e exclui perfil da rede social
FESTA DO VALE TUDO
25/03/2014 - 09:48:22
Redação 24 Horas News
Garota ‘strip’ do Vila Mix II é identificada e exclui perfil da rede social
Moradores de área próxima ao evento se queixaram da omissão das autoridades
Garota ‘strip’ do Vila Mix II é identificada e exclui perfil da rede social Depois de dançar nua e passear pela área de show, garota viu que estava sendo filmada | Foto: Reprodução

 

A ‘estrela’ do final do conturbado evento sertanejo Vila Mix II, realizado de sábado, 22, até o amanhecer de domingo, já foi identificada. A garota foi filmada fazendo ‘streap-tease’ e ficou completamente nua numa das dependências do evento, realizado no Memorial Sesi Papa, em Cuiabá. Ela seria a filha de um professor universitário. No começo da tarde de segunda-feira, 24, quando o vídeo começou a circular nas redes sociais, ela excluiu o seu perfil no Facebook. 

 

Ainda assim, a medida se mostrou insuficiente diante do seu ato. Pela rede privada Whatsapp, P. L, de 19 anos, aparece numa foto posando com um copo de bebida na mão na porta do evento,  vestida com as mesmas roupas que mais tarde ficariam apenas em sua mão, balançando para o alto. Segundo os usuários da rede, a foto foi tirada momentos antes dela entrar na área de show.

 

P. L. causou furor. O video em que ela aparece dançando nua e fazendo gestos sensuais foi um dos mais compartilhados no Facebook, onde não há controle rígido de apresentação. Algumas redes sociais, como o YouTube, não aceitaram a publicação tamanha a forma explícita com que a jovem agiu.

 

Após andar nua pela área, a garota – supostamente sob efeito de álcool – notou que estava sendo filmada e tentou se proteger, atabalhoadamente. Em seguida pedia para parar a filmagem porque temia sofrer duras consequencias: “Meus Deus.... Parem.. meu pai vai me matar”. Em seguida uma voz declara, em zombaria: “Não se preocupe, ninguem vai ver... Só o Brasil inteiro”. Antes, no audio captado, alguém sugeria levar a moça para um caminhão.

 

Além desse ato, o Vila Mix II teve registros de violência. Houve briga na área de shows e também a porta do local. A segurança do evento teve trabalho. Um dos seguranças admitiu que muitos jovem estavam complemente drogados e embriagados.

 

Uma das brigas foi registradas às 5h55 de domingo. O som estava alto. Populares que residem nas imediações do bairro se queixaram da falta de atenção por parte das autoridades. “A gente não conseguiu dormir direito” – disse Margarina Proença, 53 anos, moradora da Rua Otávio Canavarro, no bairro Bela Vista. “Um absurdo e ninguem tomou nenhuma providência”. Margarida contou que durante a madrugada muitos jovens passaram pela rua fazendo algazarra.

 

Dias antes, o produtor cultural e músico cuiabano Wilson Conceição Lara de Barros, criticou o “apartheid cultural”, entre os eventos que acontecem em Cuiabá e região. Barros apresentou uma notícia-crime requerendo que fosse impedido a realização do evento, por causa do crime de poluição sonora. Em vão! Como das outras ocasiões, o som foi às alturas e nenhum orgão ou autoridades se manifestou. Na ação, o produtor cultural citou o Juizado Volante Ambiental, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Delegacia do Meio Ambiente e a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente.

 

Na ação, o produtor alertava que a estrutura de palco e sonorização que estava sendo montada no Villa Mix era gigantesca e que os limites de decibéis previstos na Lei Municipal nº 3.819/1999 certamente seriam - como foram - ultrapassados. Ele também observou que o local de realização do Villa Mix, se trata de uma área aberta sem nenhuma espécie se isolamento acústico ao lado de duas escolas - campus Bela Vista do Instituto Federal de Mato Grosso e Sesi Escola - e muito próxima das residências dos bairros Morada do Ouro I, Morada do Ouro II, Bela Vista, CPA 2 e CPA e de um hospital, a UPA Morada do Ouro.
 

COMENTÁRIOS